sexta-feira, 14 de julho de 2017

Missa do VI Domingo depois de Pentecostes


II classe, com Glória e Credo, paramentos verdes 
Este Domingo é uma pequena Páscoa. Na Páscoa, pelo Batismo, Deus nos conferiu a vida que é alimentada pela Eucaristia. Esta verdade é lembrada e representada pela Missa de hoje. A Epístola recorda-nos que pelo Batismo morremos com Cristo ao velho homem e ressurgimos para uma vida nova. O Evangelho mostra-nos, pelo milagre da multiplicação dos Paes, a eficácia da Eucaristia. Jesus Cristo no Santo Sacrifício da Missa (no qual devemos comungar) se compadece de nós e nos alimenta no deserto da vida, para que não pereçamos no caminho. Os Cânticos mostram a confiança na proteção e misericórdia de Deus.



INTRÓITO
(Sl 27,8-9.1)
DÓMINUS fortítudo plebis suæ , et protéctor salutárium Christi suæ est: salvum fac populum tuum, Dómine , et bénedic hereditáti tuæ, et rege eos usque in sǽculum. PS. Ad te Dómine, clamábo, Deus meus, ne síleas a me: ne quando táceas a me, assimilábor descendéntibus in lacum. Glória Patri. Dóminus fortítudo.
O SENHOR é a força de seu povo, e o guarda das bênçãos de seu ungido. Salvai o vosso povo, Senhor, e abençoai a vossa herança, regei-os até a eternidade. SL. Por vós, ó Senhor, eu clamo, não silencieis para comigo, ó meu Deus, pois se não me responderdes, serei semelhante aos que descem ao túmulo. Glória ao Pai. O Senhor é a força.

COLETA
DEUS virtutum, cujus est totum quod est óptimum: ínsere pectóribus nostris amórem tui nóminis, et præsta in nobis religiónis augméntum; ut, quæ sunt bona, nútrias, ac pietátis stúdio, quæ sunt nutríta, custódias. Per Dóminum.
Ó DEUS dos exércitos, que sois o autor de tudo o que é bom, infundi em nossos corações o amor de vosso santo Nome, e aumentai em nós a vida religiosa, alimentando em nós o que é bom, e com zelo de amor paternal, conservai os que alimentastes. Por Nosso Senhor.

EPÍSTOLA
(Rm 6,3-11)
Léctio Epístolæ beáti Pauli Apóstoli ad Romanos.
I
rmãos, acaso ignorais que todos nós, batizados no Cristo Jesus, é na sua morte que fomos batizados? Pelo batismo fomos sepultados com ele na morte, para que, como Cristo foi ressuscitado dos mortos pela ação gloriosa do Pai, assim também nós vivamos uma vida nova. Pois, se fomos, de certo modo, identificados a ele por uma morte semelhante à sua, seremos semelhantes a ele também pela ressurreição. Sabemos que o nosso homem velho foi crucificado com Cristo, para que seja destruído o corpo sujeito ao pecado, de maneira a não mais servirmos ao pecado. Pois aquele que morreu está livre do pecado. E, se já morremos com Cristo, cremos que também viveremos com ele. Sabemos que Cristo, ressuscitado dos mortos, não morre mais. A morte não tem mais poder sobre ele. Pois aquele que morreu, morreu para o pecado, uma vez por todas, e aquele que vive, vive para Deus. Assim, vós também, considerai-vos mortos para o pecado e vivos para Deus, no Cristo Jesus.

GRADUAL
(Sl 89,13.1)
CONVÉRTERE, Dómine aliquántulum, et deprecáre super servos tuos. V. Dómine refúgiam factus est nobis, a generatióne et progénie.
VOLTAI-VOS um pouco para nós, Senhor, e tende piedade de vossos servos. V. Senhor, vós sois o nosso refúgio de geração em geração.

ALELUIA
(Sl 30,2-3)
ALLELÚIA, allelúia. V. In te, Dómine, sperávi, non confúndar in ætérnum: in justítia tua libera me, et éripe me: inclína ad me aurem tuam, accélera, ut erípias me. Allelúja.
ALELUIA, aleluia. V. Em vós espero, Senhor, não serei confundido eternamente. Por vossa justiça livrai-me e salvai-me; inclinai para mim os vossos ouvidos; apressai-vos em me livrar. Aleluia.

EVANGELHO
(Mc 8,1-9)
Sequéntia sancti Evangélii secúndum Marcum.
N
aquele tempo, novamente se juntou uma grande multidão e não tinham o que comer. Jesus, então, chamou os discípulos e disse: “Sinto compaixão desta multidão! Já faz três dias que estão comigo e não têm o que comer. Se eu os mandar embora sem comerem, vão desfalecer pelo caminho; e alguns vieram de longe”. Os discípulos responderam: “De onde conseguir, aqui em lugar deserto, pão para saciar tanta gente?” Ele perguntou-lhes: “Quantos pães tendes?” Eles responderam: “Sete”. Jesus mandou que a multidão se sentasse no chão. Depois, pegou-os sete pães, deu graças, partiu-os e deu aos discípulos para que os distribuíssem. E distribuíram à multidão. Tinham também alguns peixinhos. Jesus os abençoou e mandou distribuí-los. Comeram e ficaram saciados, e ainda recolheram sete cestos com os pedaços que sobraram. Eram umas quatro mil pessoas. Então ele os despediu.                                                                                                                                                             
Credo

OFERTÓRIO
(Sl 16,5-7)
PÉRFICE gressus meos in sémitas tuis, ut non moveántur vestígia mea: inclína aurem tuam, et exáudi verba mea: mirífica misericórdias tuas, qui salvos facis sperántes in te, Dómine.
FIRMAI meus passos em vossas veredas, para que meus pés não vacilem. Inclinai os vossos ouvidos, e ouvi as minhas palavras. Fazei brilhar as vossas misericórdias, vós que salvais os que esperam em vós, Senhor.

SECRETA
PROPITIÁRE, Dómine, supplicatiónibus nostris, et has pópuli tui oblatiónes benignus assúme: et ut nullíus sit írritum votum, nullíus vacua postulátio, præsta; ut, quod fidéliter pétimus, efficáciter consequámur. Per Dóminum.
SENHOR, atendei benigno as nossas súplicas e aceitai com benevolência estas oblações de vosso povo, e para que nenhum voto fique estéril, ou vã alguma súplica, fazei que realmente consigamos o que com fé pedimos. Por Nosso Senhor.

PREFÁCIO DA SANTÍSSIMA TRINDADE
V. Dominus vobiscum.
R. Et cum spíritu tuo.
V. Sursum corda.
R. Habémus ad Dóminum.
V. Gratias agamus Domino Deo nostro.
R. Dignum et justum est.
V. O Senhor seja convosco.
R. E com o vosso espírito.
V. Corações ao alto.
R. Já os temos no Senhor.
V. Demos graças ao Senhor, nosso Deus.
R. É digno e justo.
VERDADEIRAMENTE é digno e justo, e igualmente salutar, que, sempre e em todo o lugar, Vos demos graças, ó Senhor santo, Pai onipotente, eterno Deus: Que sois, com o Vosso Filho Unigênito e com o Espírito Santo, um só Deus e um só Senhor, não na singularidade duma só Pessoa, mas na Trindade duma só substância. Porque tudo aquilo que nos revelastes e cremos da Vossa glória, isso mesmo sentimos, sem diferença nem distinção, do Vosso Filho e do Espírito Santo, de maneira que, confessando a verdadeira e eterna Divindade, adoramos a propriedade nas Pessoas, a unidade na Essência e a igualdade na Majestade, a qual louvam os Anjos e os Arcanjos, os Querubins e os Serafins, que não cessam de cantar dizendo a uma só voz:


ANTÍFONA DA COMUNHÃO
(Sl 26,6)
CIRCUÍBO, et immolábo in tabernáculo ejus hóstiam jubilatiónis: cantábo, et psalmum dicam Dómino.
ANDO ao redor de seu altar e imolo em seu tabernáculo uma hóstia de louvor; canto e digo salmos ao Senhor.   

PÓSCOMUNHÃO

REPLÉTI sumus, Dómine, munéribus tuis: tríbue, quǽsumus; ut eórum et mundémur efféctu, et muniámur auxílio. Per Dominum.
SACIADOS com os vossos dons, Senhor, vos pedimos, que por seu efeito sejamos purificados e por seu poder protegidos. Por Nosso Senhor.

Ver, baixar ou imprimir em PDF:

Voltar ao Próprio da Missa

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Missa do V Domingo depois de Pentecostes

II classe, com Glória e Credo, paramentos verdes
Nosso Senhor nos mostra com o Evangelho de hoje a superioridade do Novo Testamento sobre o Antigo. Esta superioridade está na Lei do amor, que deve ser o motivo e o princípio de todas as nossas ações. Por isso mesmo o preceito da caridade reveste formas bem mais abundantes na nova ordem que Jesus veio estabelecer.
Cristo legisla que o simples ressentimento intimo contra o próximo, ainda que não traduzindo em hostilidades externas, mas voluntariamente alimentado, rompe os limites da caridade.





INTRÓITO
(Sl 26,7.9.1)
EXÁUDI, Dómine, vocem meam, qua clamávi ad te: adjútor meus esto, ne derelínquas me, neque despícias me, Deus salutáris meus. PS. Dóminus illuminátio mea, et salus mea, quem timébo? Glória Patri. Exáudi, Dómine.
SENHOR, ouvi a minha voz com a qual vos imploro, e sede o meu auxílio; não me abandoneis nem desprezeis, ó Deus, meu salvador. SL. O Senhor é a minha luz e salvação: de quem terei medo? Glória ao Pai. Senhor.

COLETA
DEUS, qui diligéntibus te bona invisibília præparasti: infúnde córdibus nostris tui amóris afféctum; ut te in ómnibus et super ómnia diligéntes, promissiónes tuas, quæ omne desidérium súperant, consequámur. Per Dóminum.
Ó DEUS que preparastes bens invisíveis para os que vos amam, infundi em nossos corações profundo amor para que, amando-vos em tudo acima de tudo, alcancemos as vossas promessas que excedem a todos os desejos. Por Nosso Senhor.

EPÍSTOLA
(1Pd 3,8-15)
Léctio Epístolæ beáti Petri Apóstoli.
C
aríssimos, sede todos unânimes, compassivos, fraternos, misericordiosos e humildes. Não pagueis o mal com o mal, nem ofensa com ofensa. Ao contrário, abençoai, porque para isto fostes chamados: para serdes herdeiros da bênção. “De fato, quem quer amar a vida e ver dias felizes, guarde a sua língua do mal e seus lábios de falar mentira. Afaste-se do mal e faça o bem, busque a paz e vá ao seu encalço. Pois os olhos do Senhor estão sobre os justos e seus ouvidos estão atentos à sua prece, mas a face do Senhor volta-se contra os malfeitores”.  Ora, quem é que vos fará mal, se vos esforçais por fazer o bem? Mais que isso, se tiverdes que sofrer por causa da justiça, felizes de vós! Não tenhais medo de suas intimidações, nem vos deixeis perturbar.  Antes, declarai santo, em vossos corações, o Senhor Jesus Cristo e estai sempre prontos a dar a razão da vossa esperança a todo aquele que a pedir.

GRADUAL
(Sl 83,10.9)
PROTÉCTOR noster áspice, Deus, et réspice super servos tuos. V. Dómine Deus virtútem, exaudi preces servórum tuorum.
OLHAI para nós, ó Deus, nosso protetor, e atendei a vossos servos. V. Senhor, Deus dos exércitos, ouvi as preces dos vossos servos.

ALELUIA
(Sl 20,1)
ALLELÚIA, allelúia. V. Dómine, in virtúte tua lætábitur rex: et super salutáre tuum exsultábit veheménter. Allelúja.
ALELUIA, aleluia. V. Senhor, o Rei se alegra com o vosso poder e grandemente exulta, porque vós o salvastes. Aleluia.

EVANGELHO
(Lc 5,1-11)
Sequéntia sancti Evangélii secúndum Matthǽum.
N
aquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: Eu vos digo: Se vossa justiça não for maior que a dos escribas e dos fariseus, não entrareis no Reino dos Céus. “Ouvistes que foi dito aos antigos: ‘Não cometerás homicídio! Quem cometer homicídio deverá responder no tribunal’. Ora, eu vos digo: todo aquele que tratar seu irmão com raiva deverá responder no tribunal; quem disser ao seu irmão ‘imbecil’ deverá responder perante o sinédrio; quem chamar seu irmão de ‘louco’ poderá ser condenado ao fogo do inferno.      Portanto, quando estiveres levando a tua oferenda ao altar e ali te lembrares que teu irmão tem algo contra ti, deixa a tua oferenda diante do altar e vai primeiro reconciliar-te com teu irmão. Só então, vai apresentar a tua oferenda.                                                                                                                                                            
Credo

OFERTÓRIO
(Sl 12,4-5)
BENEDÍCAM Dóminum, qui tríbuit mihi intelléctum: providébam Deum in conspéctu meo semper: quóniam a dextris est mihi, ne commóvear.
Bendirei o Senhor, que me deu a inteligência. Tenho a Deus continuamente diante de mim, pois está à minha direita, para que eu não vacile.

SECRETA
PROPITIÁRE, Dómine, supplicatiónibus nostris: et has oblatiónes famulórum famularúmque tuárum benígnus assúme; ut, quod sínguli obtulérunt ad honórem nóminis tui, cunctis profíciat ad salútem. Per Dóminum.
SENHOR, sede favorável às nossas súplicas e recebei, benigno, estas oblações de vossos servos e servas, a fim de que seja proveitoso para a salvação de todos, o que cada um oferece para a glória de vosso Nome. Por Nosso Senhor.

PREFÁCIO DA SANTÍSSIMA TRINDADE
V. Dominus vobiscum.
R. Et cum spíritu tuo.
V. Sursum corda.
R. Habémus ad Dóminum.
V. Gratias agamus Domino Deo nostro.
R. Dignum et justum est.
V. O Senhor seja convosco.
R. E com o vosso espírito.
V. Corações ao alto.
R. Já os temos no Senhor.
V. Demos graças ao Senhor, nosso Deus.
R. É digno e justo.
VERDADEIRAMENTE é digno e justo, e igualmente salutar, que, sempre e em todo o lugar, Vos demos graças, ó Senhor santo, Pai onipotente, eterno Deus: Que sois, com o Vosso Filho Unigênito e com o Espírito Santo, um só Deus e um só Senhor, não na singularidade duma só Pessoa, mas na Trindade duma só substância. Porque tudo aquilo que nos revelastes e cremos da Vossa glória, isso mesmo sentimos, sem diferença nem distinção, do Vosso Filho e do Espírito Santo, de maneira que, confessando a verdadeira e eterna Divindade, adoramos a propriedade nas Pessoas, a unidade na Essência e a igualdade na Majestade, a qual louvam os Anjos e os Arcanjos, os Querubins e os Serafins, que não cessam de cantar dizendo a uma só voz:


ANTÍFONA DA COMUNHÃO
(Sl 17,3)
UNAM péti a Dómino, hanc requíram: ut inhábitem in domo Dómini ómnibus diébus vitæ meæ.
UMA só coisa peço ao Senhor, e é isto que procuro: habitar na casa do Senhor todos os dias de minha vida. 

PÓSCOMUNHÃO
QUOS cælésti, Dómine, dono satiásti: præsta, quǽsumus, ut a nostris mundémur occúltis, et ab hóstiam liberémur insídiis. Per Dominum.
SENHOR, já nos saciastes com o Dom celestial, concedei, vos pedimos, sejamos purificados de nossos pecados ocultos, e livres das ciladas de nossos inimigos. Por Nosso Senhor.


Ver, baixar ou imprimir em PDF:

Voltar ao Próprio da Missa

sábado, 1 de julho de 2017

Missa do IV Domingo depois de Pentecostes

II classe, com Glória e Credo, paramentos verdes
O Evangelho de hoje encerra um símbolo da Santa Igreja e da assistência que Jesus a ela dispensa. Para nos ensinar Jesus escolhe a barca de Pedro, a quem, depois, constituirá o Chefe da cristandade. É a Pedro também a quem Nosso Senhor se dirige no final da pregação para ordenar a pesca milagrosa. Tudo isso mostra a predileção de Nosso Senhor para com São Pedro, e figura a primazia deste Apóstolo na Igreja. Mostra ainda a assistência do Senhor aos seus ministros.
  



  
INTRÓITO
(Sl 26,1-2 e 3)
DÓMINUS illuminátio mea, et salus mea, quem timébo? Dóminus defénsor vitæ meæ, a quo trepidábo? qui tríbulant me inímici mei, ipsi infirmáti sunt, et cecidérunt. PS. Si consístant advérsum me castra: non timébit cor meum. Glória Patri. Dóminus illuminátio.
O SENHOR é a minha luz e salvação, de quem terei medo. O Senhor é o meu defensor de minha vida, perante quem tremerei. Os inimigos que me oprimem, eles mesmos caem sem forças. SL. Ainda que um exército se levante contra mim, meu coração não temerá. Glória ao Pai. O Senhor é minha luz.

COLETA
DA NOBIS, quǽsumus, Dómine: ut et mundi cursus pacífice nobis tuo órdine dirigátur; et Ecclésia tua tranquílla devotióne lætétur. Per Dóminum.
CONCEDEI, Senhor, vos suplicamos, que os acontecimentos deste mundo por vossa disposição corram tranquilamente para nós e que a vossa Igreja se alegre em vos servir em paz. Por Nosso Senhor.

EPÍSTOLA
(Rm 8,18-23)
Léctio Epístolæ beáti Pauli Apóstoli ad Romanos.
I
rmãos, eu penso que os sofrimentos do tempo presente não têm proporção com a glória que há de ser revelada em nós. De fato, toda a criação espera ansiosamente a revelação dos filhos de Deus; pois a criação foi sujeita ao que é vão e ilusório, não por seu querer, mas por dependência daquele que a sujeitou. Também a própria criação espera ser libertada da escravidão da corrupção, em vista da liberdade que é a glória dos filhos de Deus. Com efeito, sabemos que toda a criação, até o presente, está gemendo como que em dores de parto, e não somente ela, mas também nós, que temos as primícias do Espírito, gememos em nosso íntimo, esperando a condição filial, a redenção de nosso corpo.

GRADUAL
(Sl 78,9-10)
PROPÍTIUS esto, Dómine, peccátis nostris: ne quando dicant gentes: Ubi est Deus eórum? V. Adjuva nos, Deus salutáris noster: et propter honórem nóminis tui, Dómine. líbera nos.
PERDOAI, Senhor, os nossos pecados, para que não digam os pagãos: onde está o Deus deles? V. Ajudai-nos, ó Deus, nosso Salvador, e pela glória de vosso Nome, livrai-nos, Senhor.

ALELUIA
(Sl 9,5.9)
ALLELÚIA, allelúia. V. Deus, qui sedes super thronum, et júdicas æquitátem: esto refúgium páuperum in tribulátione. Allelúja.
ALELUIA, aleluia. V. Ó Deus, que em trono elevado vos assentais para julgar com justiça, sede o refúgio dos pobres na tribulação. Aleluia.

EVANGELHO
(Lc 5,1-11)
Sequéntia sancti Evangélii secúndum Lucam.
N
aquele tempo, Jesus estava à beira do lago de Genesaré, e a multidão se comprimia a seu redor para ouvir a Palavra de Deus. Ele viu dois barcos à beira do lago; os pescadores tinham descido e lavavam as redes. Subiu num dos barcos, o de Simão, e pediu que se afastasse um pouco da terra. Então sentou-se e, do barco, ensinava as multidões. Quando acabou de falar, disse a Simão: “Avança mais para o fundo, e ali lançai vossas redes para a pesca”. Simão respondeu: “Mestre, trabalhamos a noite inteira e não pegamos nada. Mas, pela tua palavra, lançarei as redes”. Agindo assim, pegaram tamanha quantidade de peixes que as redes se rompiam. Fizeram sinal aos companheiros do outro barco, para que viessem ajudá-los. Eles vieram e encheram os dois barcos a ponto de quase afundarem. Vendo isso, Simão Pedro caiu de joelhos diante de Jesus, dizendo: “Afasta-te de mim, Senhor, porque sou um pecador!” Ele e todos os que estavam com ele ficaram espantados com a quantidade de peixes que tinham pescado. O mesmo ocorreu a Tiago e João, filhos de Zebedeu e sócios de Simão. Jesus disse a Simão: “Não tenhas medo! De agora em diante serás pescador de homens!” Eles levaram os barcos para a margem, deixaram tudo e seguiram Jesus.  
                                                                            
Credo

OFERTÓRIO
(Sl 12,4-5)
ILLÚMINA óculos meos, ne umquam obdórmiam in morte: ne quando dicat inimícus meus: Præválui advérsus eum.
ILUMINAI os meus olhos para que eu não adormeça na morte; para que o meu inimigo não diga: prevaleci contra ele.

SECRETA
OBLATIÓNIBUS nostris, quǽsumus, Dómine, placáre suscéptis: et ad te nostras étiam rebélles compélle propítius voluntátes. Per Dóminum.
ROGAMO-VOS, Senhor, aplacai a vossa ira, aceitando as nossas oblações, e fazei, benigno, que por vós sejam atraídas as nossas vontades rebeldes. Pelo mesmo Nosso Senhor.

PREFÁCIO DA SANTÍSSIMA TRINDADE
V. Dominus vobiscum.
R. Et cum spíritu tuo.
V. Sursum corda.
R. Habémus ad Dóminum.
V. Gratias agamus Domino Deo nostro.
R. Dignum et justum est.
V. O Senhor seja convosco.
R. E com o vosso espírito.
V. Corações ao alto.
R. Já os temos no Senhor.
V. Demos graças ao Senhor, nosso Deus.
R. É digno e justo.
VERDADEIRAMENTE é digno e justo, e igualmente salutar, que, sempre e em todo o lugar, Vos demos graças, ó Senhor santo, Pai onipotente, eterno Deus: Que sois, com o Vosso Filho Unigênito e com o Espírito Santo, um só Deus e um só Senhor, não na singularidade duma só Pessoa, mas na Trindade duma só substância. Porque tudo aquilo que nos revelastes e cremos da Vossa glória, isso mesmo sentimos, sem diferença nem distinção, do Vosso Filho e do Espírito Santo, de maneira que, confessando a verdadeira e eterna Divindade, adoramos a propriedade nas Pessoas, a unidade na Essência e a igualdade na Majestade, a qual louvam os Anjos e os Arcanjos, os Querubins e os Serafins, que não cessam de cantar dizendo a uma só voz:


ANTÍFONA DA COMUNHÃO
(Sl 17,3)
DÓMINUS firmaméntum meum, et refúgiam meum, et liberátor meus: Deus meus, adjútor meus.
O SENHOR é a minha força, o meu refúgio e o meu libertador. Meu Deus, vós sois meu auxílio.  

PÓSCOMUNHÃO
MYSTÉRIA nos, Dómine, quǽsumus, sumpta puríficent, et suo múnere tueántur. Per Dominum.
FAZEI, Senhor, vos rogamos, que os mistérios recebidos nos purifiquem, e com a sua força nos protejam. Por Nosso Senhor.


Ver, baixar ou imprimir em PDF:
Voltar ao Próprio da Missa